quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

De onde vem a geada?


Início da manhã, o Guilherme Marques disse que tinha visto a relva, os telhados e a parte de cima dos carros com gelo, brancos.
Pois, com geada. Perguntei-lhe porque seria que isso tinha acontecido. Ele respondeu o frio e muitos meninos na roda concordaram.
Voltei a perguntar se o frio seria suficiente. 
Alguém disse que não, era preciso ficar gelo, gelo com água.
Perguntei se tinha caído do céu água, ou esse "gelo". Disseram que não.
Então seria mesmo preciso a água?
Uns que sim, outros que talvez, outros não sabiam.
Fizemos uma experiência. Fomos buscar duas peças de roupa da casinha das bonecas, molhámos uma (a cor de laranja) e colocámos as duas no congelador dentro de sacos plásticos. Registámos, fizemos a previsão do que iria acontecer e à tarde confrontámos com a observação do que aconteceu.

...


Como seria de esperar a questão da geada não ficou encerrada. De onde vem a água se não vem das nuvens? De uns tubos, disse a Leonor. Pensámos um bocadinho. Não, parece não fazer sentido haver tubos em cima das plantas, dos carros...
Então eu expliquei que o ar, que está por todo o lado, tem água... Hum?! Mas não se vê nada! 
Fomos buscar uma garrafa de vidro e experimentámos lançar o ar da nossa respiração para cima dela.



 Olha, fica com água!

O reconto de uma história na parede

"A que sabe a Lua?"

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

Kandinsky

Esta semana, num final de tarde, a Francisca estava a desenhar. Fez um desenho abstrato de retângulos coloridos uns dentro dos outros.
- Isso faz-me lembrar um quadro do Kandinsky.
-Kandinsky?! Quem é esse?
-É um pintor famoso. 
-E é de onde? 
-Queres saber coisas sobre ele, é?
-Sim!
-Hoje já não dá tempo, mas amanhã vamos pesquisar.
...
No dia seguinte iniciámos um novo projeto. Alguns meninos iniciaram!
Estávamos a pensar na data de nascimento de Kandinsky...
_ 1866, foi há muito tempo, os avós ainda não existiam. Foi no século XIX e nós agora estamos no século XXI!
E de repente um menino disse, com aquele olhar de quem fez uma grande descoberta:
-Como o Picasso! Eu lembro-me, tu disseste que era XIX!
-Boa! Pois disse, no ano passado.

...

quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

Alimentar os corações das famílias

Bolachas para alimentar os corações das famílias. Quantos corações batem na tua casa? Em cada saco tantas bolachas quantos os corações (o gato e o cão também contaram).


A Festa de Natal

A Festa de Natal foi mesmo uma festa para as crianças. 
O que fizemos? Dramatizámos uma história que nós escolhemos, baseando em músicas a nossa ação.
A Hermínia (assistente operacional) fez de Pai Natal e os brincantes de duendes.
A história?
"Os óculos do Pai Natal" de Alice Cardos

Visita do Pai Natal...

Visita do Pai Natal, da Clarinha Viegas (mascote da Junta) e do Presidente da Junta de Freguesia à nossa escola. Trouxeram um saquinho com presentes!

Sinos

Por aqui tudo costuma ser feito pelos brincantes, porque só assim faz sentido, já que de outro modo não se provoca aprendizagem. Às vezes fazemos pequenas cedências, como fizemos nestes sinos feitos a partir de um copo de café. Tudo foi feito pelos brincantes à exceção dos pompons que foram feitos pela Sara, com ajuda dos meninos.

Casamento da Leonor e do Afonso

Foi em meados de dezembro. Cheguei de manhã e na sala a animação do costume. Olá professora! Muitos tinham m uma novidade inadiável que precisa ser comunicada, falavam todos ao mesmo tempo... Está bem, está bem...já vamos reunir. De repente uma gritaria. Primeiro a Leonor e o Afonso vão-se casar! E casaram, com Marcha Nupcial e tudo. E a reunião atrasou-se. E é isto!
Desde aí têm-se realizado muitos casamentos, mas hoje a cena repetiu-se com o 1º par.


Árvore de Natal para o Fórum











O Fórum (Centro Comercial mais próximo) desafiou-nos e nós respondemos ao desafio. Todos juntos (escola do 1ºCEB, CTL e JI) construímos estas árvores. Ainda se encontram no espaço do supermercado Continente junto à charcutaria.